Origem do Homem
 Evolução Humana
 Tempo Histórico
 Períodos da História
 Grandes Civilizações
 Descobrimento do Brasil
 Território Brasileiro
 Três Poderes
 Guerra do Paraguai
 Guerra Fria
 Primeira Guerra Mundial
 Segunda Guerra Mundial
 Revolução Russa
 Guerra dos Canudos
 Revolução Farroupilha
 Inconfidência Mineira
 Laifis de História
 Mais Conteúdos [+]

 Exercícios Resolvidos
 Provas de Vestibular
 Simulados On-line
 Jogos On-line

 Área dos Professores
 Atualidades
 Profissão Historiador
 Dicionário de História
 História Ilustrada
 Personalidades Históricas
 Resumos

 Curiosidades
 Lendas & Mitos
 Links Úteis
 Datas Comemorativas
 Efemérides
 Hoje na História
 Indicação de Livros
 Indicações de Filmes
 Vídeos
 Textos dos usuários
 Hinos
 Mapas Históricos
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

A primavera Árabe

http://3.bp.blogspot.com/-YwNxGJQlyUA/TlfIQrkmtfI/AAAAAAAAASg/TBk_m577r2A/s1600/mapaintro.jpg

Raízes Históricas
“Nós nos rebelamos contra os ingleses; e contra os franceses...
Nós nos rebelamos contra os que colonizaram nossas terras e tentaram nos escravizar...
Nós repelimos a revolução vermelha muitas vezes, e continuamos nossas revoluções brancas por muitos anos...
E para isso suportamos muito sofrimento, aguentamos muitas perdas, sacrificamos tantas vidas...
Mas: Quando finalmente conquistamos nossa liberdade, começamos a santificar as fronteiras que eles instituíram depois de dividir nossas terras...
E nos esquecemos de que essas fronteiras eram as do "confinamento solitário" e as da "prisão domiciliar" que eles nos impuseram!”

Sati‘ al-Husri

Estendo-se do Atlântico ao Oriente Médio o “Mundo Árabe” abriga uma diversidade cultural e histórica extremamente complexa, ao contrário do que essa generalização simplificadora sugere. Porém, essa região tem sofrido com ataques e dominações estrangeiras há muitos séculos, desde o Império Turco Otomano, passando pelo Imperialismo franco-britânico e finalmente sendo submetido pelos interesses econômicos norte-americanos.

O sentido de homogeneidade dessa região está muito atrelado à religião (Islã), mas também essencialmente a essa dinâmica de dominação enfrentada desde o medievo europeu.

No poema acima fica explicita a característica essencial dessa região do planeta, na qual as imposições de potências econômicas e militares determinaram sua configuração geopolítica sem levar em consideração as tradições milenares dos povos que nela habitam, sendo essa uma das razões de muitos dos conflitos que a assolam até hoje.

Não foram os árabes que construíram as fronteiras atuais de seu “mundo”, não foram os Tunisianos que criaram a Tunísia, nem os egípcios que criaram o Egito e assim poderíamos ir citando tantos outros, como Iraque, Síria, Jordânia, Arábia Saudita. A maioria das fronteiras nacionais dessa região foram desenhadas nas pranchetas de técnicos e políticos ocidentais, levando em consideração os interesses econômicos e geopolíticos de seus países e não dos povos então dominados.
Ainda no século XIX essa parte do mundo foi dominada pelas potências européias. Em 1830 a França tomou a Argélia e no ano de 1875 dividiu com a Inglaterra o controle sobre o Canal de Suez. Seja através da força das armas, ou por meio da dominação econômica, o imperialismo ocidental foi presença constante na região até o século XX.

Em maio de 1916, em plena I Guerra Mundial, os europeus firmaram um acordo (Acordo de Sykes-Picot) dividindo entre si os espólios do Império Turco Otomano– vale lembrar que nesse momento o petróleo já havia se tornado essencial para as economias capitalistas. Segundo esse Acordo cabia à França as áreas da Síria, Monte Líbano e à Inglaterra a dominação sobre a Mesopotâmia (atual Iraque) e como protetorado uma vasta região que se estendia do Egito ao Golfo Pérsico.

http://4.bp.blogspot.com/_lrnheGDims4/TFy9tARF5DI/AAAAAAAAFu8/wSYwF-u22WM/s320/Imp%C3%A9rio+Otomano.jpg


 Mapa do Império Turco-Otomano em seu auge
         
Ampliando o cenário que abriria espaço para diversos conflitos na região, em 17 de novembro de 1917 os ingleses comprometeram-se a criar um “lar nacional judeu na palestina,” promessa que tornou-se realidade em 1948.

Ao longo do século XX, essencialmente no auge do processo de descolonização que tinha como pano de fundo a Guerra Fria, a maioria dos protetorados e regiões dominadas conquistaram suas independências formais, porém isso não significou o fim da submissão aos interesses econômicos das potências ocidentais. Estabeleceram-se fronteiras artificiais e governos, repúblicas ou monarquias, ligados mais aos interesses estrangeiros e pouca relação tendo com os anseios de suas populações. Costumava-se dizer que um soberano dos novos países árabes davam satisfações primeiro aos acionistas das gigantes petrolíferas e somente depois aos seus cidadãos.

Em 1956 o então presidente do Egito Gamal Adel Nasser nacionalizou o controle sobre o Canal de Suez com um discurso inflamado para um multidão de milhares de pessoas no qual ele disse:
“Tudo o que nos foi roubado por aquela empresa imperialista, por aquele Estado dentro do Estado, enquanto morríamos de fome, nós vamos reaver... O governo decidiu sobre a seguinte lei: um decreto presidencial que nacionaliza a Companhia Internacional do Canal de Suez. Em nome da nação, o presidente da república declara que a Companhia Internacional do Canal de Suez é uma companhia limitada egípcia”.

  


Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

 

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale conosco

Copyright © 2009-2014 Só História. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.